Ministro Bruno Dantas, do TCU, confirma segurança das urnas eletrônicas

Segundo Dantas “a adoção de mecanismo de impressão de cédulas físicas conferíveis pelo eleitor… deixa a sistemática mais vulnerável a fraudes, erros e manipulações”.

O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), corroborou as conclusões da avaliação feita por uma secretaria da Corte sobre segurança, confiabilidade e auditabilidade das urnas eletrônicas. Durante a sessão plenária de ontem (11/8), que julgaria o processo de auditoria interna do TCU sobre o voto eletrônico, o ministro defendeu a lisura do atual sistema eleitoral brasileiro e alertou que a adoção do voto impresso poderia comprometer a transparência dos pleitos.

Dantas é relator do processo e, durante o seu voto, leu trechos do relatório técnico produzido pelo TCU. O ministro destacou que “os mecanismos existentes de segurança, transparência e checagem compõem um arcabouço institucional suficiente para assegurar que o resultado divulgado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), após a contagem dos votos, é fiel à vontade do eleitor efetivamente manifestada nas urnas eletrônicas”.

Ele ainda pontuou que “desde as eleições de 2000, praticamente 100% dos votos são registrados, contabilizados e totalizados de forma eletrônica, sem a intervenção humana e sem nenhum registro de fraude comprovado na votação eletrônica desde a sua instituição”. “A auditoria deste tribunal concluiu que o sistema eleitoral brasileiro dispõe de mecanismos de fiscalização que permitem a auditoria da votação eletrônica em todas as suas etapas”, afirmou. “As evidências coletadas pela equipe técnica permitem a esta Corte assegurar a robustez e a confiabilidade do processo eletrônico de votação.”

Segundo o ministro, a sistemática adotada pelo TSE “traz um grau satisfatório de confiabilidade e segurança ao processo eleitoral” antes, durante e após as eleições, e também “impede ataques externos à urna eletrônica, uma vez que o equipamento funciona de forma isolada, ou seja, não apresenta nenhum mecanismo que possibilite sua conexão a redes de computadores, como a internet”.

No entendimento de Dantas, “a adoção de mecanismo de impressão de cédulas físicas conferíveis pelo eleitor, além de ser medida excessivamente dispendiosa, incrementa a intervenção humana no processo e, consequentemente, deixa a sistemática mais vulnerável a fraudes, erros e manipulações”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s