Projeto que cria Auxílio Conectividade para professores é aprovado com duras críticas de como foi apresentada a Câmara

A solicitação teve o voto contra dos vereadores Antônio Marcos (DEM), Jhonatan Soares, do Coletivo Nós (PT) e Umbelino Júnior (PRTB), que discordam dos valores apresentados

Projeto de Lei nº 270/2021, que institui o “Auxílio Conectividade”, destinado aos profissionais do magistério da rede pública municipal de ensino, em efetivo exercício, por força da pandemia da Covid-19, foi aprovado, durante sessão ordinária na Câmara Municipal de São Luís, nesta quarta-feira (01/09).

O Auxílio Conectividade vai permitir que o profissional da educação, em pleno exercício de suas funções, tenha acesso à internet para realizar suas atividades laborais, enquanto as aulas da rede municipal seguirem de forma remota, como medida de prevenção a Covid-19.

O benefício, no valor mensal de R$ 70,00 (setenta reais), é uma ajuda financeira para contratação de serviços de dados e internet. Com a aprovação da matéria, o PL segue para redação final e em seguida para sanção do prefeito Eduardo Braide (Podemos).

Para que a proposta fosse votada ontem, o vereador Octávio Soeiro (Podemos) apresentou um pedido de urgência urgentíssima, com dispensa de pareceres e interstício.

A solicitação foi aprovada contra os votos dos vereadores Antônio Marcos – o Marquinhos (DEM), Jhonatan Soares, do Coletivo Nós (PT) e Umbelino Júnior (PRTB), que discordam dos valores aprovados.

Críticas e sugestões

Os vereadores que votaram contra o Projeto, fizeram duras críticas à forma que a proposta foi aprovada. Em seu discurso durante a sessão, Marquinhos falou sobre as dificuldades enfrentadas pelos professores e declarou que o valor do benefício não dava pra comprar nem um rolo de papel higiênico.

“Não é justo se aprovar essa proposta dessa forma. Era necessário tramitar para que o projeto pudesse receber sugestões. O valor de R$ 70 reais não custa nem um rolo de papel higiênico”, declarou.

O co-vereador Jhonatan Soares tentou apresentar uma emenda para que o projeto pudesse ser retroativo ao mês de agosto de 2020, período em que os professores iniciaram as aulas remota.

“Nós representamos o povo e os professores que são representados pelo Sindeducação, sugeriu que o pagamento do auxílio fosse retroativo ao mês de agosto de 2020. Se não querem respeitar o Regimento da Casa, qual a razão de manter as Comissões temáticas desta Casa?”, questionou o parlamentar. (Informações: Ascom Câmera)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s